De acordo com o Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas, o Brasil ganhou 1.865.183 novos empreendimentos em 2014, o que representa um aumento de 1,4% comparado com o montante de novos negócios registrados no ano anterior.

Após um tempo de atuação no mercado, algumas empresas não percebem o próprio sucesso e acabam estagnadas por manterem a mesma estrutura, comportamento e equipes desatualizadas ou não capacitadas para evoluírem nas funções.

Independente do cenário econômico ou do momento, as oportunidades existem e o que muda são as atitudes do gestor da empresa em relação ao momento vivido, além do controle das finanças.

Expandir significa que há espaço para mais e o empreendedor de visão consegue identificar o lucro através de outras opções, em novos locais, outros produtos, outro jeito de gerir, considerando muitas vezes desafios maiores. Desta forma, o crescimento acontece gradativamente. Lembre-se: neste caso, menos não é mais.

Crescer é ótimo e também doloroso, pois implica em fazer escolhas.

Quando a corporação começa a expandir rapidamente significa que está atingindo o objetivo de mercado tão almejado, mas ao mesmo tempo ela passa a se distanciar da origem, da essência e dos primeiros passos.

A atenção e cuidados aos princípios não têm mais espaço, pois as cobranças e demandas aumentam. O contato direto com os clientes, tanto externo quanto interno, passa a ser substituído por decisões estratégicas, recrutamento, equipamento, fornecedores, bancos, reuniões e outros processos.

Veja algumas dicas de como transformar este processo menos doloroso:

  • Volte ao objetivo: se sentir que está perdendo a mão em relação à sua cultura organizacional, pare, saia da zona de conforto e visite seus pontos de venda e distribuição, se for o caso, ouça o que os colaboradores têm a dizer, ouça seus próprios clientes. Críticas também funcionam como termômetro. Pergunte-se: qual é a minha meta? O que precisa ser feito para atingi-la em momento de crise? Com quem posso contar?
  • Delegue: delegar atividades é um exercício de disciplina e desapego. É importante ter bons profissionais e de confiança para assumir atividades importantes para o bom funcionamento da empresa.
  • Análise de mercado: um dos equívocos mais comuns praticados é lançar produtos ou serviços sem avaliar o potencial de vendas e se o mercado quer determinado produto/serviço. Muitas empresas, na ansiedade de não ficar para trás e combater o concorrente, lançam produtos ou serviços que acabam fracassando.
  • Equipe: treinamento e capacitação são chave para o crescimento. É preciso clareza nos objetivos no momento do recrutamento, pois são os colaboradores que levarão adiante os valores da empresa. Esse item é investimento e não gasto.
  • Planejamento: um bom plano de negócios, visão estratégica e capacidade de trabalho são ingredientes indispensáveis para crescer. Projeções ajudam a traçar de forma mais clara as metas e objetivos.

Tenha consciência de que o nascimento do seu negócio construiu um sonho e resgatar a essência, no momento de mudança, é positivo. Por isso, faz-se necessário voltar às origens e cuidar da marca que vem sendo construída. Adapte–os para expansão e engaje as pessoas em seu sonho. Incentive comportamentos segundo valores da empresa e lidere com inteligência e exemplo.

Crescer dói, exige decisões, jogo de cintura, pré-disposição e visão. O caminho a ser percorrido precisa ser vislumbrado e revisitado de tempos em tempos.

Regina Nogueira, publicitária, é fundadora da Regina Nogueira Consultoria Empresarial e Coaching

Facebooktwittergoogle_pluslinkedin